Mil Lápis e uma Vida

Eu nunca havia conhecido uma colecionadora de lápis.

Meras Crônicas

por Dilvo Rodrigues

Em uma de suas viagens internacionais, a professora Flávia Auler foi à Israel. Por lá, conheceu a “Via Dolorosa”, em Jerusalém, viu o “Mar Morto” de perto e, na cidade de Eliat, deu de cara com as margens azuis do “Mar Vermelho”. Uma viagem e tanto. Voltando ao Brasil, ao por os pés no aeroporto de Guarulhos, recebeu uma das notícias mais desagradáveis da cartilha de coisas desagradáveis para um viajante ou turista profissional: Teve a mala extraviada. No decorrer daqueles quinze dias de espera, as preocupações não giravam em torno dos cremes feitos com substâncias do Mar Morto, maquiagens e roupas adquiridas durante o passeio. O que tirava o sono da nutricionista eram os quase 50 lápis que iriam se juntar aos outros 800 de sua coleção. Hoje já devem ser quase mil deles.

No começo, os lápis nem tinham tanto lugar de destaque na vida…

Ver o post original 399 mais palavras

Aguenta o Fardo, Com Fé em Deus

Esse texto foi inspirado no Carlos Drummond de Andrade. E, como hoje completa 30 anos da morte dele, nada mais justo do que uma singela homenagem a quem considero o maior da Literatura Brasileira.

Meras Crônicas

por Dilvo Rodrigues

Quando minha mãe disse que eu iria me chamar Rodrigo, não achei bom e nem achei ruim. Na verdade, eu sou do pensamento de que a pessoa deveria escolher seu próprio nome. Eu, se tivesse esse direito, sem dúvida, iria me chamar José. Iria assinar com todo orgulho na identidade: José Rodrigues Batista. Eu não tenho nada contra meu nome atual, que aliás muito respeito esse Dilvo. Nunca tive problema na escola, com coleguinha enchendo a paciência, destilando a zombaria a cerca disso. Se alguém chegasse e falasse que era feio, a resposta tava na ponta da língua. “O nome é meu!” Mas José. Se eu me chamasse José, esse nome seria mais meu ainda.

E nem é por ser nome bíblico. Apesar de eu admirar por demais a história daquele José. Imagina só sua mulher aparecer grávida do nada, dizendo que o bebê é fruto do…

Ver o post original 408 mais palavras

No Dia Internacional da Mulher…

Parabéns para quem é de comemoração. Amor à quem é de amar. Força para quem é de luta. O Meras Crônicas deseja que toda mulher se realize nos objetivos que satisfazem seu coração, sua alma ou seu intelecto.

O blog gostaria de fazer um agradecimento especial a todas as mulheres que passaram por aqui, nos inspirando com suas histórias, com suas visões, sabedoria, perspicácia e sensibilidade. Mas, principalmente, por nos ensinarem a ter uma inabalável fé na vida. Em especial: Dani Zan, Zélia Gláucia Do Monte, Camila Gontijo e Flavia Auler. Muito obrigado, queridas!

E, essa reverencia se estende a todas as outras que foram faíscas, ou mesmo, essência de tantas textos publicados por aqui. Como também, àquelas que ainda irão nos inspirar a escrita, a vida.