Mais um dia na Rio Vermelho

A Rua amanhece às 5 da matina, com o estalar dos cadeados, o abrir e fechar dos portões e os passos de quem ruma para o trabalho. Os coletivos passam na avenida, a duas esquinas depois. Por isso, quem pode ficar na cama por mais algumas horas, continua num sono digno. É a chegada dos pedreiros na obra da vizinha ao lado direito que torna a Rio Vermelho um tanto atribulada. O trambolhar da betoneira é o despertador de muitos por aqui, inclusive o meu. O espaço de tempo entre cada marretada na parede é o máximo que se pode aproveitar de uma função soneca. “Ô Zé, prepara a massa. Dois carrinhos de areia, não deixa empelotar muito, não.”. Poderia ser uma bela receita de bolo. Outro dia um dos pedreiros bateu aqui no portão de casa. “Ô vizinho, podemos usar sua calçada pra deixar o material. Deixamo tudo limpo depois.” Eu disse, “tudo bem.”, e os caras encheram minha calçada de brita e pedaço de madeira velha. Se eu fosse encucado, acharia aquilo uma provocação, um atrevimento do destino. A obra já vai caminhando para os finalmentes, o que tem me deixado aliviado. E ai se não cumprirem o combinado! Sou chato com limpeza.

A vizinha do lado esquerdo também o é. Todo dia a coitada pega a vassoura, abre o portão e vai varrer a calçada. Junta as folhas com a maior dificuldade. No fim, pega uma cadeira de área e senta lá, meio que admirando o brilhante serviço feito. Semana passada ela veio aqui, trouxe um bolo. Em retribuição, dias depois, dei um cacho de bananas. Daí, ela deixou umas rosquinhas bem deliciosas. E eu, metade de uma melancia. Sempre tenho bacon na geladeira, mas essas coisas a gente não compartilha. Assim como o vizinho dos fundos não compartilha os churrascos semanais, movidos, com certeza, a picanha, pão de alho e vinagrete. Sem dúvida, já devem se achar caridosos demais, espalhando a fumaça da carne bem passada aos quatro ventos. É, não se fazem vizinhos como os de antigamente.

E as ruas também mudaram bastante. Por aqui, mesmo uma região residencial, raramente há criança andando de bicicleta ou jogando bola. Vez ou outra, um guri aparece com um skate judiado. Nunca acerta uma manobra, mas também, andar sozinho não deve ser muito divertido. As crianças e os jovens sempre passam indo e voltando da escola, em grupos, com seus celulares a vista, conversando sobre jogos e perfis de musas e crushs escolares. Não tem futebol, ninguém chorando ou reclamando por ter esfolado o dedão do pé no pavimento. Não tem vôlei, com rede furada, nem qualquer outra marotice infantil ou juvenil que eu me lembre de ser divertida, para brincar entre amigos. Mas sou um velho nostálgico que nem entende desses passatempos atuais, só conheço mesmo e sinto saudade das brincadeiras e jogos lá da Rua Dois, lá em Minhas Gerais. O máximo de travessura que se encontra na Rio Vermelho é protagonizada por um vizinho misterioso, que todo o final de tarde ousa soltar rojões na rua. Dizem que é para espantar gatos e vira-latas. É um susto danado. Valha-me Deus!

É nos finais de tarde que algumas vizinhas se juntam na calçada para tricotar, literalmente. À medida que o sol vai saindo, uma nova peça de roupa nasce, talvez para cair sobre o corpo de algum parente ou amigo. É incrível como um rolo de linha se transforma num gesto de tamanha ternura e carinho. Sem dúvida, esse é o fio da vida que nos une, ultrapassando até todos esse muros e portões. As flores dos ipês amarelos também caem em todas as casas, assim como o sol e a chuva são para todos. O caminhão dos ovos e dos abacaxis também vendem para todos, assim como os churros da Rosi. O que mais me chama a atenção é que todas as ruas, não só a minha, se assemelham a um rio. Todo dia parece tudo igual, as mesmas águas, os mesmo fluir e o mesmo porvir. Pois é, amanhã a obra se inicia novamente e eu mal vejo a hora de ver minha calçada totalmente limpa. Amanhã é mais um dia na Rio Vermelho.

2 comentários sobre “Mais um dia na Rio Vermelho

  1. Ótima esta sua crônica Dilvo, aliás como todas, muito agradável de ler…nos faz sentir como se estivéssemos na rua, vendo tudo acontecer. DEUS te presenteou com um grande talento e vc tem feito bom uso dele, parabéns !!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s