Uma Viagem, Uma Dobra, Um Acaso

Jose carlos Fernandes01ggggg
Foto cedida por José Carlos Fernandes

por Dilvo Rodrigues

Aos 13 anos, José Carlos Fernandes saiu de Curitiba, no Paraná, e foi para o interior de São Paulo, onde conviveu com mineiros, gaúchos, goianos, paulistas e outros tantos garotos, que também deixaram suas casas para viver em um seminário. Arrumou a mala, entrou numa kombi e foi para outra cidade, talvez por um chamado de Deus, um experiência mística, ao contrário do que ocorre costumeiramente com adolescentes, que nessa faixa etária começam a sentir mesmo são as vozes da mística hormonal. Longe do seminário, teria sido um jovem “travado”, atrás do balcão ajudaria o pai comerciante e não se tornaria um comprador compulsivo de livros. Especulações sobre o que não aconteceu à parte. Foi uma viagem, uma dobra, um acaso sem o qual ele não consegue imaginar sua própria existência, sua vida.

Leia mais »

Amores que Veem e Amores que Não Vão

por Dilvo Rodrigues

Sílvia pediu um caixa de bombons de presente de Dia dos Namorados e Ricardo foi à loja, onde encontrou Priscila, um antigo amor de juventude. Ela não poderia sequer imaginar que Ricardo encontrara Priscila, que era viciada em bombons de licor. O Restaurante estava lotado. Clientes de longa data, Gisele e Patrícia já se preparavam para ir embora, quando chegava Romualdo e Andréia. Os quatro se olharam e se cumprimentaram friamente, assim como acontece entre desconhecidos. Na mesa, Romualdo soltou que havia perdido totalmente o apetite. Andréia não entendeu, já que o próprio Romualdo foi quem escolhera o badalado restaurante. Ele disse que era devido ao stress no trabalho. Na redação do jornal se comentava muito sobre uma possível demissão em massa de jornalistas. Andreia se solidarizou com a dor de “Mumu”. A verdade é que ele revivia mentalmente a cena em que foi pego em flagrante, no meio de um ménage à trois com Patrícia e Gisele. Sua ex-mulher havia contratado um detetive particular para segui-lo nas supostas entrevistas no meio da noite.

João namorava Carla, que foi noiva de Alberto. Ninguém nunca soube os reais motivos que levaram ao fim do noivado. A vizinha de frente do ex-casal suspeita até hoje que Carla não pode ter filhos. Alberto queria uma menina e hoje deve passar a noite sozinho, estudando para a prova do concurso de analista judiciário. João fez vasectomia depois da chegada dos trigêmeos, frutos do relacionamento com Aurora. A professora Letícia acha Rafael um partidão e não se contenta com as investidas de Pedro. Rafael se emociona com tudo que Pedro faz para conquistar Letícia. Rafael tenta ter coragem para fazer o mesmo por Henrique.

Dona Zelda e Sr. Francisco são casados há 43 anos. São cinco filhos, onze netos e um patrimônio de 4 milhões. No dia dos namorados vão ao Parque Barigui no Fusca em que ele a buscou no primeiro encontro. Naquela noite de fevereiro, Zelda empurrou o carro por 800 metros até o posto de gasolina e Francisco não tinha dinheiro para abastecer. No aeroporto, olhando as passagens para Florianópolis, Rodrigo desiste de tentar encontrar a garota que ele mais gostou na vida e ainda gosta. São dois anos sem notícias dela, muitas dúvidas e receios por parte dele. Ele não sabe que Sílvia está feliz com Ricardo. Mas que, vez ou outra, ela se pergunta por onde Rodrigo anda e se ainda pensa nela. O que só dura até Ricardo chegar com os bombons, sorrindo e com uma cara de bobo por ter visto Priscila tão bem.